As lives vieram para ficar? Entenda o que o artista independente pensa disso

Com a internet novas ferramentas vão surgindo, mas a visibilidade ainda é uma barreira para muitos

Wanda Citó

Muitas mudanças que chegaram com a pandemia, tendem a permanecer mesmo após o vírus, principalmente com relação a práticas de comércio. Com toda essa reconfiguração, o mercado da música não ficou de fora, um grande exemplo disso são os shows em formato de lives. A influência da internet na produção de conteúdo e na vida dos artistas já é algo intenso, e tudo indica que continue aumentando.

O crescimento das lives no período de quarentena é evidente, o que é positivo, levando em conta que reforça o isolamento e é uma ótima alternativa para quem quer curtir um show em casa, sem aglomeração. A cantora independente Pri Paula afirma apoiar esse formato “É bacana a ideia das lives, sou super a favor, é claro que não é a mesma coisa que tocar ao vivo, não imprime tudo, mas ta servindo como válvula de escape para artistas nesse momento tão delicado”.

Pri PaulaCantora Pri Paula | Foto: Flavia Caixeta

A internet sem dúvidas é um meio que simplificou a troca entre os músicos e o público, facilitando para quem está começando de mostrar o seu trabalho, no entanto para artistas independentes, que pertencem ao um nicho menos comercial, a visibilidade é um sonho difícil “Tudo tem os prós e os contras, a internet trouxe coisas muito boas, novas ferramentas, melhoraram a qualidade, houve uma evolução, mas a coisa é difícil para artistas que não tem muitas visualizações, não é fácil tirar uma renda mensal” destacou Priscilla.

A cantora ainda afirma que para ela o melhor da internet é o alcance “É muito bom isso, divulgando e compartilhando seu trabalho você tem mais chance de chegar em outros públicos, outros estados e até países, e colher os frutos disso é ótimo”.