De quase férias na internet a um quadro de ansiedade, o que fazer para não surtar na quarentena

 Para evitar uma pandemia de ansiedade a dica é fazer coisas para preservar a sanidade mental, ou seja, use a criatividade em casa!

 Wanda Citó

Quando anunciado o período de quarentena, a ideia de passar alguns dias em casa despertava em muitos a sensação de quase férias, uma folga do trabalho, da faculdade, da escola e de grande parte das responsabilidades cotidianas. No entanto, com o passar do tempo a rotina de comer, dormir, acordar, assistir algo e principalmente ficar por horas na internet começou a ficar monótono e chato.

Durante esse período em casa, a maioria das pessoas recorre à internet como forma de fugir do tédio e espairecer, porém ficar muito tempo navegando nas redes pode ser perigoso e prejudicial. Desde quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) oficializou o surto do novo coronavírus como pandemia, o numero de noticias sobre a doença cresceu ao ponto em que o mundo todo passou a falar sobre a mesma coisa. A falta do que fazer somado ao alto número de informações do vírus e seus impactos tem deixado muita gente aflita e ansiosa.

20200320 saude mental coronavirusEm quarentena e excesso de informações, cuidar da mente é uma importante tarefa | Foto: Arte sobre silhueta Flaticon e Pixabay

A psicóloga Camila Brusch destaca que as pessoas devem se policiar com relação ao consumo de informações nesse período de quarentena, com o intuito de evitar possíveis doenças mentais.

“O isolamento social tem algumas desvantagens, pois deixa as pessoas mais vulneráveis ao desenvolvimento de sofrimento psíquico. Podemos em breve nos deparar com uma pandemia de ansiedade, depressão, psicose e outros transtornos. Nesse momento precisamos cuidar da alimentação que damos para o corpo e para a mente. É muito importante que as pessoas evitem consumir informações para além daquelas estritamente necessárias”, disse Camila.

Os gatilhos que encontramos na internet devido ao alto fluxo de noticias são incontáveis, e acessar esses gatilhos pode desencadear em problemas mais sérios, ou agravar a situação de quem já enfrenta tais transtornos.

Camila explana sobre o que é ideal para ser feito nas atuais circunstancias. “Neste momento a melhor coisa a se fazer para preservar sua sanidade é não dar asas à imaginação. O cuidado com a saúde mental também é coletivo, espalhar o terror pode ser tão grave quanto sair abraçando todo mundo na rua. Precisamos nos conectar com coisas prazerosas que costumamos fazer em casa: filmes, literatura, jogos de tabuleiro, baralho, fazer aquele curso EAD que vinha sendo adiado, cuidar do corpo e da alma”.

Devemos perceber que a internet é um sistema complexo, que exige de nós atenção, pois ao mesmo tempo em que funciona como aliada, ela pode ser uma cruel inimiga, então a utilize de forma saudável.

Em algum caso de sofrimento mental constante é muito importante ter consciência da necessidade do atendimento psicológico. A profissional Camila Brusch esta realizando atendimentos online para esse público, você pode entrar em contato via email (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.) ou telefone (63 9994-5122).