Com benefícios comprovados, Pequi mantém fama na culinária

Iguaria é apreciada em pratos nas regiões Norte, Centro-Oeste e Minas Gerais

Por Fábio Côelho

Pele com espinhos poderia ser o nome dado a um dos frutos mais tradicionais da culinária sertaneja. O pequi, fruto nativo do cerrado brasileiro teria o nome derivado do tupi-guarani pyqui, sendo, py: pele; e qui: espinhos, por isso a denominação “pele com espinhos”.  

pequi

É difícil ter alguém que mora no Goiás ou Tocantins que não conheça o pequi, alguns podem não apreciar, pelo gosto e cheiro peculiares, mas o fruto é base de diversos pratos da culinária do Norte, Centro-Oeste e encanta ainda, grande parte da população de Minas Gerais, no Sudeste do Brasil.  

Segundo informações do Brasil Escola, o pequi faz parte da culinária goiana há séculos, desde o início do século XVIII, nas antigas vilas de Meia Ponte (hoje Pirenópolis), e Vila Boa (cidade de Goiás). Por ser rico em óleo insaturado, vitaminas A, C e E; fósforo, potássio, magnésio e carotenoides; sua ingestão previne tumores, problemas cardiovasculares e evitam a formação de radicais livres. 

Com os benefícios comprovados, e a fama na culinária agregando sabor e estilo aos pratos locais, não é difícil encontrar por aí receitas, como a que o Alessandro Dutra preparou de um delicioso arroz com frango e pequi, feito no fogão a lenha. 

https://www.youtube.com/watch?v=UH0-0wADvPA&feature=youtu.be 

Quanto a exploração da fruta, é baseada no extrativismo e seu uso mais expressivo é o alimentício, com o aproveitamento da polpa do fruto. E para quem não sabe como tirar a polpa do pequi em casa, fique atento no vídeo do Gilmar Evangelista, que ele ensina como fazer de forma artesanal! 

https://www.youtube.com/watch?v=DksSEJCZ6Jc 

(Foto: Divulgação)